sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Lembranças....

























Da janela do seu quarto ela gosta de olhar a vida.


Pouca coisa consegue ver da altura em que se encontra.

Avista uma selva de pedra, prédios que avançam ávidos para o céu,

parecendo que ainda não descobriram onde parar.

Na avenida que nunca dorme, carros e caminhões apressados,

cortado as vezes pelo som de uma ambulância,

rasgando tudo com seu grito angustiante.

Vida que tem pressa, mas pressa para que?

Um mundo de pressa para ir e para vir. .todos agitados, nervosos.

Olha para um quarto que não é o seu.

Sente-se uma hospede que ainda não se instalou.

Lembra com saudade de sua cidade no interior,

lá a vida passa devagar, num marasmo as vezes irritante.

Todos se conhecem, ninguém tem pressa.

Sempre há tempo para o sorvete tão gostoso lá da esquina,

o cheiro do pão quentinho logo pela manhã.


Amava sua casa, lembra dos detalhes de cada objeto com carinho.

Tivera que se desfazer de tudo, tantas lembranças,

tantas histórias deixadas para traz ..

e sua companheirínha?

- Uma fox paulistinha que era sua paixão, também se fora,

deixara um vazio enorme em seu coração.

Lembrou-se "Dele", um sorriso de ternura deu vida a seu rosto.

Fora tão louca, tão insensata

O conhecera de uma maneira inesperada:

- Num sábado a tarde saiu para fazer compras, estava cansada,

supermercado cheio, um calor insuportável,

detestava fazer as compras do mês.

Aquele barulho, a agitação a deixavam cansada e com dor de cabeça.

Depois de uma fila interminável no caixa,

lembrou-se que esquecera de comprar um queijo.

- Que droga pensava!

Voltou novamente para a fila, e viu que um homem a olhava .

Ficou em duvida se era para ela mesmo.

Olhou dos lados e teve a confirmação.

Sorriu de volta toda ruborizada.

Mas gostou da sensação de estar sendo admirada,

ou talvez até desejada.

Quando saiu dali, ele a seguiu de carro, conversaram e descobriram

tantas coisas em comum!

Trocaram telefone, ela saiu dali com o coração aos pulos,

sentia-se novamente uma menina,

nem se lembrava mais dessa sensação de estar sendo desejada.

Esperou com ansiedade pelo telefonema.

Quando o primeiro telefonema aconteceu,

sentiu uma alegria que mal disfarçava.

Começaram a se falar todos os dias por telefone,

passou a viver esperando por aqueles momentos,

um falar sussurrado.

As mãos trêmulas, coração disparado.

Seus olhos agora brilhavam, sorria sempre,

sentia-se feliz como nunca imaginava ser possível
Às vezes sentia medo de tanta felicidade.

Mas logo esquecia e sonhava.

Apaixonou-se de uma forma louca e devastadora.

Ah! E o primeiro encontro!

Os dois ficaram tímidos, quase sem saber como agir.

E veio o primeiro beijo, foi como se tivesse sido atingida

por uma descarga elétrica.

Fazia tanto tempo que não sentia o prazer de um beijo,

a delicia do toque das mãos dele traçando caminhos pelo seu corpo.

Queria mais e mais.

Quando ele adormecia, ela ficava a olhar seu rosto, seu corpo,

memorizava os detalhes,

cada traço, cada marquinha.

Amava aquela boca que a fazia sentir tocando o céu.

Sentia um prazer indescritível em seus braços.

Não conseguia pensar em mais nada.

Sua vida era ele.

Era só uma aventura para ele, nada mais, sabia disso.

Ela não.

O amava verdadeiramente, amava cada gesto, cada sorriso,

o seu cheiro, seu gosto, seu toque!

Quando foi que ele começou a mudar?

Não percebeu logo.

Ele começou a ficar distante, se ausentando aos poucos até dizer-lhe

que estava tudo acabado.

-Como viver sem ele?

Desesperou-se.

Não conseguia imaginar a vida sem ele.

Quase morreu de dor.

Uma despedida sofrida, uma dor lancinante a machucava.

Implorou para não deixá-la.

Humilhou-se, mas ele foi irredutível.

Sentiu que naquele dia uma parte dela morrera

e dera lugar a uma outra pessoa,

uma mulher apagada e triste. . .

Agora nessa nova vida, distante de tudo, longe do seu amor,

pensa que nunca mais sorrirá como antes.

Ninguém vive pela metade (Mas ela já era só uma metade fazia tanto tempo!)

Ainda liga para ele, só para ouvir sua voz e desliga sem dizer nada.

Hoje seu riso é só um leve sorriso que nunca aquece seu coração.

Seu olhar é triste, sem vida.

Se pudesse voltar atrás faria tudo de novo.

Queria voltar a sentir aquela alegria, aquele amor que foi vida, alegria.

Mas como tudo na vida passa o amor dele também passou.

Mas valeu a pena.

É melhor sentir saudade do que nunca ter amado



Maria Bonfá
22/01/2010

16 comentários:

Maria Flor! disse...

Olá Má,
Doces lembranças, as vezes doridas, outras mais felizes, mas são doces lembranças. E como é bom recordar é nossa história, onde somos os únicos protagonistas e escritor.
Meus aplausos.

Beijos da Flor!

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Um texto gostoso que além de nos fazer esquecer um pouco a cidade e nos levar ao interior, à uma vida calma sem buzinas e prédios, nos fala de saudade de um amor. Concordo e sempre digo: melhor que ter saudades é não ter em quem pensar.Sinal que não viveu. Lindo.Gostei.Parabéns.Beijos

Everson Russo disse...

Quantas cenas, quantas vidas vemos da janela...um mundo inteiro de emoçoes,,,paz e conflitos...beijos querida e um belo final de semana pra ti.

Luciana Klopper disse...

Tudo que vivemos é válido, né?

Sandra Botelho disse...

essa saudade dói né amiga?
Doi tanto que e capaz de fazer dias ensolarados se tranformarem em dias nublados e tristes.
mas é gostoso mesmo que sofrido, ao menos nós amamos, somos intensas e não brincamos com os sentimentos dos outros.
Bjos meus querida

Daniel Savio disse...

E não diria que se tranformou esta mulher triste, apenas que deu um tempo para a eal essência dela pudesse se recuprar...

Fique com Deus, menina Maria Bonfá.
Um abraço.

Elaine Barnes disse...

Agora sim entendo. Amiga você escreve tão bem.Muitas vezes é do quarto que trazemos as melhores coisas que fizemos.As lembranças tão boas que nos fazem felizes por nossa capacidade de amar. Você é capaz.Seu amor está aí dentro do peito. Ele te pertence. É a única coisa que é tua de verdade. Seu amor.Logo você encontrará outro alguém,até melhor para entregá-lo. Não tenha medo. Já doeu,nada mais vai te doer assim!E por você ser o que é e escrever tão bem quero te ver feliz e te ofereço um prêmio muito merecido que está noa amigos e mimos da coruja
http://amigosemimosdacoruja.blogspot.com/ Espero que goste. montão de bjs e abraços

Clecilene Carvalho disse...

Ninguém vive pela metade (Mas ela já era só uma metade fazia tanto tempo!

Viver é maravilhoso, e como já foi dito "tudo vale a pena quando a vida não é pequena" acho que é isso.

Um excelente final de semana.

Dani disse...

um desabafo...

=S


beijos.. eu gostei!!

Pelos caminhos da vida. disse...

"Há corações que param no passado;
e para que isto não
aconteça com você deixo-lhe este
pequeno lembrete, para que o
seu coração, ao mover-se no futuro,
encontre sempre algo no
presente."

Ótimo fim de semana pra vc.

beijooo.

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Sim, é melhor viver, ter saudades mesmo, do que inventar. Amei! Maria, você é verdadeira, faz. A vida vale e muito. Há quem fale que a vida não vale e sofre mesmo porque fica só pensando e não se entrega ao amor. É preciso amar, mais do que preciso, é urgente.
Amo quando me visita querida.
Amo você desde o dia em que a vi.
Beijos mil.
Tenha um lindo dia.
Renata

Lidia Ferreira disse...

A minha janela e muito especial para mim , ela viveu um momento muito triste da minha vida , na qual eu só tinha ela
Bjs
tem um selo para vc no meu blogt

Rebeca disse...

Oi querida, claro que eu iria me lembrar de seu cantinho, sempre com lindos poemas que nos fazem refletir sobre tudo que vivemos!
Nesse, a ultima frase é crucial, quem nunca amou, jamais poderá entender o que é sentir saudades e aquele tremor ao ver o amado!
Beijos e bom final de semana!

Kimbanda disse...

Quem verdadeiramente amou se entregou de forma transparente, e perante a evidência de não ter sido correspondido do mesmo modo, vai sofrer com a saudade, mas com a certeza do bem querer e estar bem consigo e com a honestidade da postura que impõe a si próprio. O outro lado que não corresponde da mesma forma genuína, só a falta de carácter poderá deixar a sua mente tranquila e sem peso de consciência.
Muita falta de ética e saber estar perante a vida e os sentimentos dos outros, infelizmente é assim.
Kandando sincero

Carla Fernanda disse...

Oi, Maria

Estou retribuindo sua visitinha ao meu blog onde você sempre será muito bem-vinda e fique a vontade p/ opinar o quanto quiser por lá!

Adorei seu blog e já me tornei sua seguidora, ok?

Fiquei muito feliz por você ter gostado do meu blog e agradeço pelo carinho.

Eu também amo ler, sou aficcionada por livros, poesias e textos de reflexão. Adoro! Sempre estou postando alguns em meu blog também.

Aproveito e deixo aqui meu convite a todos os seus leitores p/ darem uma passadinha por lá:

:. Sonho de Reflexão .:

Beijos.

Carla.

José disse...

Olá Maria,
Em primeiro lugar quero agradecer
os seus bonitos comentários, eu só
agora estou chegando por os motivos que já conhece.
Os meus parabéns pelo bonito texto
que no final diz tudo.
É melhor ter saudade, de que nunca ter amado.

um beijinho,
José.